Como viver com histaminas e encontrar a cura

Pela Dra. Taz Bhatia MD

Nariz escorrendo, olhos lacrimejando, coceira na língua – muitos de nós temos os sintomas familiares da intolerância à histamina. A reação clássica é pegar um benadril ou outro anti-histamínico sem receita para um conforto imediato. Infelizmente, essa costuma ser apenas uma solução temporária.

O que são histaminas?

Histaminas são neurotransmissores – ou, mais especificamente, aminas – que são compostos químicos do corpo que se comunicam com o cérebro e o intestino. A maior parte da histamina é produzida nos intestinos e regulada por bactérias. Ela é quebrada pela enzima diamina oxidase ou DAO, que remove a histamina do corpo. Para muitas pessoas, a deficiência dessa enzima leva à intolerância à histamina.  

Muitos alimentos também contêm altas concentrações de histamina, incluindo alguns favoritos como banana, abacate ou berinjela. Muitas pessoas conseguem eliminar a histamina do corpo e evitar os sintomas da intolerância ou alergia à histamina. Porém, para muitas outras, os sintomas podem ser mais sutis do que os sintomas clássicos de uma alergia, podendo ser a causa de dores de cabeça, dores abdominais, diarreia, rubor facial, irritabilidade, congestão o simplesmente um sistema imunológico mais fraco. Em crianças, os sintomas podem incluir falta de atenção, ansiedade e compulsividade.

Qual a diferença entre a intolerância à histamina e as alergias

Com a intolerância à histamina, não é comum existir uma reação imediata como na alergia – ao invés disso, ocorre uma apresentação lenta ou gradual dos sintomas. Isso pode dificultar a identificação da causa do problema para a pessoa que sofre dos sintomas.

Felizmente, existe uma maneira de minimizar a intolerância à histamina e melhorar sua saúde geral. O primeiro passo é limitar o consumo de alimentos com alta concentração de histamina. Diminuir seu consumo diário de álcool, principalmente vinho e cerveja, que são fermentados, melhora sua resposta à histamina. Evitar bananas, berinjelas e abacates por pelo menos 4 a 6 semanas também pode ajudar a reduzir os sintomas da intolerância. Além disso, diminuir o consumo de alimentos fermentados como kombucha, chucrute e kefir pode aumentar a resistência à histamina.

A saúde intestinal pode ajudar com a intolerância à histamina?

Melhorar a saúde dos intestinos é um passo chave para diminuir a intolerância à histamina. Probióticos contendo lactobacilos e bifidobacterium podem ajudar a reduzir a carga de cândida nos intestinos, equilibrando os níveis de histamina. Ervas como berberina ou óleo de orégano ajudam a combater a cândida, melhorando indiretamente os níveis de histamina.

Aumentar o consumo de gorduras saudáveis como azeite de oliva ou óleo de coco pode melhorar os sintomas da intolerância à histamina, pois a gordura estabiliza o equilíbrio das bactérias intestinais. Enzimas contendo lipase e bile de boi melhoram a absorção da gordura – ajudando também a manter o equilíbrio e o estado das bactérias intestinais.

Anti-inflamatórios naturais

Por último, os anti-histamínicos e anti-inflamatórios naturais também podem ajudar com a intolerância à histamina. A Quercetina, encontrada naturalmente em maçãs, ou a cúrcuma, um tempero bastante conhecido, podem servir para reduzir a resposta à histamina, mas melhoram a resposta à inflamação. Adicionar esses ingredientes na sua dieta diário, em conjunto com probióticos, pode gradualmente melhorar a tolerância à histamina, permitindo uma maior variedade alimentícia.

É importante lembrar que a intolerância à histamina pode ter uma cura lenta em comparação com a resposta à alergia à histamina, que costuma ser rapidamente tratada com a utilização de anti-histamínicos ou epinefrina. Reconheça os sintomas da intolerância à histamina e equipe-se com uma estratégia para resolver o problema, usando alimentos, suplementos e alterações no estilo de vida.

Referências:

  1. http://ajcn.nutrition.org/content/85/5/1185.long