7 Suplementos Naturais Para a Saúde da Próstata

Por Eric Madrid MD

Neste artigo:

A próstata é crucial para a saúde do homem. De fato, a palavra em si vem do grego e significa “aquela que protege” ou “protetora”. Posicionada entre a bexiga e o cólon, a principal função da próstata é secretar um fluido claro e alcalino, que ajuda a transportar o esperma durante a ejaculação. A alcalinidade ajuda a neutralizar a acidez da vagina, protegendo o esperma e aumentando a chance de fertilização.

A próstata pode ficar muito infectada, em um problema chamado de prostatite. Quando a próstata é alargada, esse problema é chamado de HBP (Hiperplasia Prostática Benigna). Em caso de detecção de células cancerígenas na próstata, o câncer de próstata é diagnosticado.

Prostatite

Bactérias podem invadir a próstata e causar uma infecção, com sintomas similares à infecção urinária em muitos casos. Um homem que possua uma infecção terá dificuldade aguda de urinar, e poderá sentir queimação e problemas para esvaziar a bexiga. O tratamento costuma incluir antibióticos por duas a oito semanas, dependendo da gravidade.  

Hiperplasia Prostática Benigna (HBP)

À medida que muitos homens envelhecem, a próstata se alarga. Pessoas afetadas podem ter dificuldade para urinar, e muitos homens com HBP podem acordar até cinco vezes por noite com vontade de ir no banheiro. Os sintomas também podem incluir dificuldade para iniciar a urinação, com gotejamento de urina depois da conclusão. O simples ato de se levantar várias vezes durante a noite pode, obviamente, dificultar uma boa noite de sono. Felizmente, existem muitas coisas que um homem pode fazer para minimizar o inchaço da próstata.

De um ponto de vista de estilo de vida, comer alimentos saudáveis, como grãos integrais e frutas e vegetais orgânicos, é uma atitude benéfica. Evitar a cafeína e o álcool, ou pelo menos mantê-los em níveis mínimos, é recomendado, além de poder ser benéfico para algumas pessoas. Medicamentos com ou sem receita também são tomados – eles incluem inibidores da 5-alfa-redutase (finasterida, dutasterida) e alfa-bloqueadores (terazosina, tamsulosina, doxazosina). Esses medicamentos funcionam muito bem para a maioria das pessoas. Assim como ocorre com qualquer medicamento, efeitos colaterais podem fazer com que algumas pessoas precisem interromper o uso.

Para pessoas que ainda têm problemas mesmo depois de tentar várias estratégias, a intervenção cirúrgica pode ser uma opção. Porém, efeitos colaterais da cirurgia podem resultar em incontinência urinária, impotência permanente e disfunção erétil.

Apesar de ser tão comum, o lado bom da HBP é que não há evidência de que ela aumente o risco de um homem desenvolver câncer de próstata. E os medicamentos nem sempre são necessários – também existem suplementos que podem ajudar a reduzir a próstata.

Câncer de próstata

O câncer de próstata afeta um em cada seis homens, além de causar 10 por cento de todas mortes por câncer. No mundo todo, 1,6 milhões de homens são diagnosticados com câncer de próstata, e 366.000 homens morrem de câncer de próstata todos os anos. Esse tipo de câncer é tão comum que se estima que 90% dos homens com mais de 90 anos de idade apresentam evidências de câncer de próstata microscópico. Entretanto, é improvável que ele seja uma causa de morte para homens nesse grupo de idade, pois é mais provável que ocorra a morte por problemas no coração ou causas naturais antes da morte por câncer de próstata.

Pergunte à maioria dos homens com mais 50 anos de idade como um exame de próstata é feito, e eles lhe dirão, geralmente de forma apreensiva, um olhar amedrontado ou um sorriso de canto de boca. Apesar de um exame de sangue para um antígeno prostático específico (PSA) poder ser pedido, o exame de toque retal realizado por um médico é a melhor forma de identificar pessoas com risco de câncer de próstata. Se um nódulo ou anormalidade for sentido, o médico pode recomendar um ultrassom e uma biópsia da próstata, para descartar a presença de células cancerígenas.

Apesar desse teste poder ser desconfortável, ele é uma parte importante de um exame físico completo para pessoas em risco ou com sintomas.

Alimentos a serem evitados

Acredita-se que laticínios, incluindo leite, podem ser um fator de risco para o câncer de próstata. Um estudo de 2018, publicado no Journal of Clinical Nutrition, concluiu que o consumo de leite integral foi associado a um maior risco de câncer de próstata agressivo. Outro estudo de 2018 concluiu que “...o consumo de leite integral depois do diagnóstico de câncer de próstata foi associado a um maior risco de recorrência, principalmente dentre homens muito acima do peso ou obesos. Homens com câncer de próstata que decidem beber leite devem escolher opções desnatadas ou com baixo teor de gordura”. Eu, pessoalmente, recomendo opções sem laticínios, como leite de amêndoas ou de arroz.

Um estudo de 2017 demonstrou que pessoas que consomem maiores quantidades de gorduras saturadas também possuem um maior risco de câncer de próstata. Gorduras saturadas são encontradas em alimentos como manteiga, creme, leite integral, queijo, banha e carnes processadas, como salsicha e salame.

Licopeno

O licopeno é um nutriente alimentício que é benéfico para a saúde da próstata. Fontes alimentares de licopeno incluem tomates, melancia e toranja rosa. Um estudo de 2018 sobre nutrientes concluiu que os homens vietnamitas que possuem um consumo mais alto de tomates e licopeno apresentam menos casos de câncer de próstata. Uma meta-análise de 2017, com 692.000 pessoas, concluiu que aquelas com níveis mais altos de licopeno eram menos propensas a desenvolverem câncer de próstata e, por último, um estudo de 2018 demonstrou que pessoas com um consumo maior de tomates apresentavam uma chance 19 por cento menor de desenvolver esse tipo de câncer, quando comparados a pessoas que consumiam a menor quantidade. Dose sugerida: Conforme indicado no rótulo.

Ácidos graxos ômega-3 (óleo de peixe)

Os ácidos graxos essenciais de ômega-3 consistem principalmente de ácido eicosapentaenoico (EPA) e ácido docosahexaenoico (DHA). Um estudo de 2014, publicado no Nutrition Journal, demonstrou que a maioria dos americanos não consome a quantidade suficiente de ácidos graxos em suas dietas. Esses nutrientes importantes podem ser encontrados em uma variedade de fontes alimentares, incluindo peixes (cavalinha, bacalhau e salmão são alguns dos mais ricos) nozes, sementes de chia, linhaça, sementes de cânhamo, abacate e natto.

Um estudo de 2017, publicado na Oncology Letter, declarou que um aumento no consumo de ácidos graxos ômega-3 reduz o risco de câncer de próstata.

Outro estudo, de 2017, demonstrou que homens que tomam medicamentos prescritos para a próstata (finasterida e tamsulosina), indicados para próstata alargada ou HBP, e que consumiam ácidos graxos ômega-3, apresentaram um maior fluxo urinário quando comparados a homens que só tomavam os medicamentos.

Semente de abóbora

Uma abóbora, também conhecida como abóbora de inverno, é diferente da abóbora de verão e pertence a uma classe de alimentos conhecida como Cucurbita pepo. Durante séculos, a domesticação da abóbora remonta a mais de 7.000 anos, ao que hoje é conhecido como sul do México, e foi revelado que ela possui benefícios à saúde da bexiga, dos rins e da próstata. Agora, a ciência está confirmando que essa planta possui benefícios à saúde da próstata.

Um estudo de 2016 demonstrou que o extrato de semente de abóbora pode ajudar a melhorar sintomas relacionados ao alargamento de próstata. Um estudo de 2015 em homens com a próstata alargada demonstrou que aqueles que tomavam um extrato de semente de abóbora apresentavam uma melhora no fluxo urinário, quando comparados a pessoas que tomavam um placebo. O consumo de sementes de abóbora pode ser considerado um lanche saudável. Caso tome um suplemento, siga as instruções do rótulo.

Serenoa repens

À medida que os homens envelhecem, muitos apresentam sintomas relacionados ao alargamento da próstata, um problema que os médicos chamam de HBP, ou hiperplasia benigna da próstata. Os sintomas incluem dificuldade para esvaziar a bexiga, urina gotejante, redução no fluxo de urina e frequência urinária. Existem medicamentos prescritos disponíveis para reduzir os sintomas, porém, muitos preferem tentar uma abordagem mais natural. A Serenoa repens é um medicamento herbáceo que pode ajudar, segundo estudos.

Um estudo de 2002, publicado na Cochrane Database, concluiu que a serenoa repens fornece benefícios leves a moderados nos sintomas urinários, além de melhorar o fluxo urinário. Em contrapartida, um estudo de 2009 demonstrou que a serenoa repens pode não ser mais efetiva do que um placebo.

Porém, um estudo de 2017, que durou 12 meses, demonstrou benefícios no fluxo urinário de homens que tomaram a serenoa repens, quando comparados a homens que não receberam esse tratamento. Também existem estudos que demonstram que a serenoa repens, quando tomada em combinação com selênio e licopeno, é mais efetiva do que se tomada sozinha. Eu notei que cerca de metade dos paciente para quem recomendo essa erva apresentam melhoras nos sintomas da próstata. Também existem evidências que indicam que pessoas que tomam serenoa repens em conjunto com o medicamento prescrito finasterida apresentam um benefício adicional.

Dose sugerida: conforme indicado no rótulo

Vitamina E

Alimentos contendo vitamina E possuem efeitos benéficos não só para o cérebro, mas também para o coração e até para a próstata. Esses alimentos incluem amêndoas, sementes de abóbora, sementes de girassol, espinafre, couve e abacate. Um estudo de 2015 demonstrou que pessoas que consumiam maiores quantidades de alimentos contendo vitamina E apresentavam um risco menor de desenvolverem câncer de próstata agressivo.

Vitamina D

Estudos demonstraram que pessoas com níveis sanguíneos mais baixos de vitamina D apresentam um risco mais alto de desenvolverem câncer de próstata e outros tipos de câncer. Além disso, um estudo de 2017, publicado na Urology Annals, demonstrou que pessoas com um nível de vitamina D mais baixo apresentam um risco mais alto de desenvolverem hiperplasia prostática e, possivelmente, câncer de próstata.   

Passar 20 a 30 minutos no sol permite que os braços e pernas de uma pessoa recebam a luz solar, que pode ajudar na geração própria da vitamina D. Porém, dependendo da estação do ano e da geografia onde se vive, isso pode não ser o suficiente. Para muitos, uma suplementação de vitamina D é recomendada. Dose sugerida: 1.000 - 5.000 UI diariamente

Zinco

De acordo com o Journal of Nutrition, quase 45 por cento dos americanos apresentam um consumo inadequado de zinco em suas dietas. No mundo todo, mais de 15 por cento das pessoas possuem uma deficiência de zinco. O zinco parece ter um papel importante na saúde geral da próstata, e pessoas com próstatas saudáveis apresentam níveis mais altos de zinco, quando comparadas a pessoas com problemas de próstata.  

Um estudo de 2011, publicado no Indian Journal Of Urology, concluiu que homens com níveis mais baixos de zinco no sangue apresentavam um risco mais alto de sofrerem hiperplasia benigna da próstata (HBP) e câncer de próstata. Um estudo de 2016, além dos outros, confirmou a importância que níveis saudáveis de zinco apresenta na manutenção da saúde ótima da próstata. Um multivitamínico de qualidade possui zinco, enquanto outras pessoas preferem tomar um suplemento de zinco separadamente. A dose diária sugerida é de 25 a 50 mg de zinco. Aprenda mais sobre os benefícios do zinco para a saúde.

Referências:

  1. Cold Spring Harb Perspect Med. 2018 Jan 8. pii: a030361. doi: 10.1101/cshperspect.a030361.
  2. Am J Clin Nutr. 2018 May 1;107(5):799-807. doi: 10.1093/ajcn/nqy037.
  3. Prostate Cancer Prostatic Dis. 2017 Mar;20(1):48-54. doi: 10.1038/pcan.2016.39. Epub 2016 Sep 6.
  4. Van Hoang D, Pham NM, Lee AH, Tran DN, Binns CW. Dietary Carotenoid Intakes and Prostate Cancer Risk: A Case-Control Study from Vietnam. Nutrients. 2018;10(1):70. doi:10.3390/nu10010070.
  5. Prostate Cancer Prostatic Dis. 2017 Dec;20(4):361-377. doi: 10.1038/pcan.2017.25. Epub 2017 Apr 25.
  6. Papanikolaou Y, Brooks J, Reider C, Fulgoni VL. U.S. adults are not meeting recommended levels for fish and omega-3 fatty acid intake: results of an analysis using observational data from NHANES 2003–2008. Nutrition Journal. 2014;13:31. doi:10.1186/1475-2891-13-31.
  7. Oncology Letter. 2017 May;13(5):3717-3721. doi: 10.3892/ol.2017.5880. Epub 2017 Mar 21.
  8. Inflammopharmacology. 2017 Aug;25(4):451-458. doi: 10.1007/s10787-017-0343-2. Epub 2017 Apr 8.
  9. Arch Ital Urol Androl. 2016 Jul 4;88(2):136-43. doi: 10.4081/aiua.2016.2.136.
  10. Vahlensieck W, Theurer C, Pfitzer E, Patz B, Banik N, Engelmann U, Effects of Pumpkin Seed in Men with Lower Urinary Tract Symptoms due to Benign Prostatic Hyperplasia in the One-Year, Randomized, Placebo-Controlled GRANU Study. Urology International 2015;94:286-295
  11. Cochrane Database of Systemic Reviews. 2002;(3):CD001423.
  12. Cochrane Database of Systemic Reviews. 2009 Apr 15;(2):CD001423. doi: 10.1002/14651858.CD001423.pub2.
  13. Pril (Makedon Akad Nauk Umet Odd Med Nauki). 2017 Sep 1;38(2):123-129. doi: 10.1515/prilozi-2017-0030.
  14. Current Medicinal Chemistry. 2013;20(10):1306-12.
  15. Journal of  Urology. 2011 Oct;186(4):1524-9. doi: 10.1016/j.juro.2011.05.049. Epub 2011 Aug 19.
  16. Urology International. 2015;94(2):187-93. doi: 10,1159/000366521. Epub 2015 Jan 23.
  17. Antwi S, Steck SE, Su LJ, et al. Dietary, Supplement, and Adipose Tissue Tocopherols Levels in Relation to Prostate Cancer Aggressiveness Among African and European Americans: The North Carolina-Louisiana Prostate Cancer Project (PCaP). The Prostate. 2015;75(13):1419-1435. doi:10.1002/pros.23025.
  18. Elshazly MA, Sultan MF, Aboutaleb HA, et al. Vitamin D deficiency and lower urinary tract symptoms in males above 50 years of age. Urology Annals. 2017;9(2):170-173. doi:10.4103/0974-7796.204192.
  19. Ciubotariu D, Ghiciuc CM, Lupu?oru CE. Zinc involvement in opioid addiction and analgesia – should zinc supplementation be recommended for opioid-treated persons? Substance Abuse Treatment, Prevention, and Policy. 2015;10:29. doi:10.1186/s13011-015-0025-2.
  20. Gómez Y, Arocha F, Espinoza F, Fernández D, Vásquez A, Granadillo V. Zinc levels in prostatic fluid of patients with prostate pathologies. Invest Clin. 2007;48:287–94.
  21. Christudoss P, Selvakumar R, Fleming JJ, Gopalakrishnan G. Zinc status of patients with benign prostatic hyperplasia and prostate carcinoma. Indian Journal of Urology?: IJU?: Journal of the Urological Society of India. 2011;27(1):14-18. doi:10.4103/0970-1591.78405.